30 de jul de 2010

Algo Mais - Pretty Little Liars

Todo mundo diz que PLL é uma mistura de Gossip Girl e Eu Sei O Que Vocês Fizeram No Verão Passado. E eu não poderia concordar mais.
A serie é baseada numa serie de livros com o mesmo nome (serie que vai ser lançada pela Rocco ainda esse ano com o nome de Malvadas) e conta a historia de quatro amigas, na verdade cinco amigas, mas uma foi assassinada misteriosamente. E um ano depois da morte dela essas amigas começam a receber cartas, SMSs, emails, recados escritos em vários lugares, etc. Essa é a parte ESOQVFNVP. Agora vamos para a parte GG da historia.
Spencer é inteligente, joga bem ténis e já beijou um ex namorado da irmã (em quanto eles namoravam) e lá pelo 3° episódio beija o noivo da irmã.
Aria é do tipo rebelde e tem um caso amoroso com o professor de inglês dela (e que professor)
Hanna de vez em quando rouba algumas coisas para chamar a atenção do pai que abandonou ela.
Emily apesar dela ter namorado ela começa a gostar da vizinha dela, e digamos que esse gostar é correspondido.
A serie é nova e por enquanto só tem 8 episódios, com mais dois sendo lançados esse mês e outros 12 lançados em janeiro.

video

27 de jul de 2010

Nerds - A Ultima Musica

Essa vai ser minha primeira resenha negativa no blog.
No tópico do Querido John eu disse que suportava o Nicholas Spark. Mentira!! Ele é cliché de mais par mim. A propósito eu achei Querido John sem sal.
Eu vou resumir os livros dele. O amor e deus são a resposta para tudo, mesmo que no meio/final do livro alguém fique com câncer ou com uma doença terminal. Mas na maioria das vezes é câncer mesmo, por enquanto já teve câncer no sangue, câncer de pele e câncer no estômago. O próximo eu aposto é no pulmão.
Deixando todo o cliché da historia de lado, tem outras duas coisas que irritam:
-Ele não saber se expressar( a cada meia pagina eu tina que ler expressões do tipo; ele estava cansado, mas ou mesmo tempo não estava, ela sabia que isso era bom, mas ao mesmo tempo era ruim, apesar do tempo passar muito rápido, ele também passava muito lento. Dá para aguentar isso algumas vezes, mas sempre não)
-deus ( eu não sou muito chegada em religião, mas isso não significa que eu não possa ler sobre deus de vez em quando. Eu não tenho problema nenhum com quem tem fé, mas com quem é carola que nem o Nicholas Spark e passa metade do tempo falando de deus. Ai com esses eu tenho problemas)
Acho que o que eu menos gostei no livro, foi ele ser tão cliché. A toda a hora os personagens percebem que estavam errados e eles aprendem com os erros e sempre se transformam numa pessoa totalmente diferente apesar de ainda serem os mesmos.
Talvez se o livro fosse cliché, mas açucarado que nem Crepúsculo é. Ai eu até poderia gostar, mas acontece que o livro ate tem certo romance, e são fofinhas essas partes. Só que não é romance o suficiente para esconder os clichés do livro.
Vamos aos personagens: Ronnie é revoltada mas não é revoltada e tem uma personalidade mutante.
Steve: Apesar dos motivos dele, ele é passível demais. E extremamente carola também.
Blaze: Outro típico cliché. Menina malvada, mas que só era malvada por amor e que depois de alguns erros aprendeu e voltou a ser boazinha.
Marcus: Malvado, mas pelo menos com personalidade própria.
Will: Só ele e o Marcus se salvam. O Will também é um personagem cliché (pobre garoto rico) mas apesar disso ele é bem fofinho de vez em quando e também dá algum humor à historia. Só no final que eu fiquei meio decepcionada com ele, ele foi... o que eu posso dizer... ele foi cliché.
Apesar disso, duas das minhas amigas que leram gostaram dos livros (Querido John e A Ultima Musica) e se você já leu um livro do NS ou da Nora Roberts você com certeza vai gostar desse livro. Ah! esqueci de falar, o livro tem algum humor (eu disse algum humor e não uma verdadeira comédia como os livros da Meg Cabot ou da Sophie Kinsella), e para dizer a verdade isso foi a única coisa que eu não vi motivo para criticar no livro.
Ultima palavra do post:
CLICHÉ.

26 de jul de 2010

Algo Mais - Dracula de Bram Stoker

No meio de tantos pseudo-vampiros é bom de vez em quando ver um filme com vampiros de verdade, mesmo esse filme sendo mais velho que eu. Dracula é um filme americano do final 1992 que conta como diretor Francis Coppola. Todo mundo diz que ele é O Diretor, mas pra dizer a verdade eu não me importo muito quem é o diretor ou não.
A historia do filme é linda. O filme se baseou no livro Dracula do escritor Bram Stoker, e esse foi o 1° livro sobre vampiros já lançado.
O filme começa com um príncipe romeno chamado Vlad Tepes (o homem que iniciou o mito do vampiro) e ele tinha uma esposa que ele amava muito. Um dia ele foi para uma guerra e seus inimigos mandaram uma mensagem para a sua esposa dizendo que ele tinha morrido, por isso ela acaba se matando. Quando ele volta da guerra descobre que ela se matou e que como ela era suicida ela não poderia ser enterrada. Ai ele fica puta revolts e vira um vampiro.
Quatro séculos se passam e o filme vai pra Londre do final de 1800, começo de 1900, onde a reencarnação da esposa do Vlad vive. Só que ela tinha um noivo... E a partir dai voces já podem imaginar mias ou menos o que acontece.
O final tem uma trilha sonora linda, e apesar de eu não gostar de misturar romance com ação, nesse filme ficou bom. O filme ganhou 3 oscar e foi indicado para o MTV Movie Awards como melhor beijo. Um ponto negativo do filme são os péssimos efeitos especiais, mas também o filme é de 92, então agente da um desconto. Tem um personagem no filme que dá algum humor à historia: Van Helsing

video